(Vigilância Ambiental - Vetores) Esquistossomose - Referências bibliográficas


Amaral, R. S. & Porto, M. A. Evolução e situação atual do controle da esquistossomose no Brasil. Rev. Soc. Bras. Méd. Trop., 27 (supl.III):73-90.

Brasil. Ministério da Saúde. 6. Conferência Nacional de Saúde : painel programa especial de controle de esquistossomose Brasília; s.n; 1977. [92] p. tab. Conferência: Apresentado em: Conferência Nacional de Saúde, 6, Brasília, 1-5 ago.1977.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Controle da Esquistossomose – Operações de Malacologia , 1995.

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de controle da esquistossomose – Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 1998.

Carvalho, O. S. & Passos, L.K.J.P.& Mendonça, C.L.F.G. et al. Moluscos de importância médica no Brasil. Belo Horizonte, Centro de Pesquisas René Rachou – FIOCRUZ, 2004.

Coutinho, J. O., e S. B. Pessoa. Sobre um foco autóctone da Esquistossomose mansônica em Jacarezinh, (Norte do Paraná). O Hospital,31 (4):531-542. 1949.

Deslandes, N. Técnica de dissecação e exame de planorbideos. Rev. Serv. Saúde Públ.1951.

Feltes, G. Estudo Epidemiológico Retrospectivo do Schistosoma mansoni no Estado do Paraná [dissertação]. Curitiba, Paraná, 2002.

Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. Censo Demográfico 2000: Características da População e dos domicílios. IBGE 2001. [em 2007 dez 29]. Disponível em URL: http.ibge.gov.br/home/estatística/população/censo2000/universo.php?tipo=31&uf=41.

Katz, N.; Dias, L. C. S. Esquistossomose mansoni em parasitologia humana e seus fundamentos gerais. Benjamin Cimerman e Sérgio Cimerman. Ed. Atheneu. 1999.

Lima, E. C. & Luz, E. Esquistossomose mansônica no Estado do Paraná – Estudo da distribuição da fauna planorbídica como fator de localização da endemia – Bo. Univ. Paraná – Cós. Pesq. – Dep. Méd. Prev. – Monografia nº1 – Abril 65 – 265 pgs.1965.

Lobo, A. G. S., Luz, E. Contribuição ao conhecimento da distribuição geográfica dos planorbídeos no Estado do Paraná. Rev. Brás. Malar. 6 (4): 555-565. 1954.

Lutz, A. O Schistosomum mansoni e a schistosomatose segundo observações feitas no Brasil. Mem. Inst. Osvaldo Cruz.1919.

Luz, E. et al. Atualização da sistemática e distribuição geográfica dos planorbídeos (Gastropoda, Pulmonata) no Estado do Paraná (Brasil). Acta Biológica Paranaense, Curitiba, v.27, n.1,2,3,4,1998, p.39-55.

Maack R. Geografia Física do Estado do Paraná. Rio de Janeiro; José Olympio Editora/Secretaria da Cultura e Esportes do Estado do Paraná; 1968.

Organização Mundial de Saúde. O controle da esquistossomose: segundo relatório do Comitê de Especialistas da OMS. Rio de Janeiro; Fundação Oswaldo Cruz; 1994. 110 p.

Rey, L. Parasitologia 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; p 349. 1992.

Secretaria de Vigilância em Saúde. Tópicos em Esquistossomose. SVS 2008[em 2008 jan 25]
http://portal.saude.gov.br/portal/svs/visualizar_texto.cfm?idtxt=22065/22066/22069

Silva, P. Contribuição para o estudo da schistosomiase na Bahia. Brazil-Médico22: 281-283. 1908.

Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Dados. SINAN 2008. [em 2008 jan 25]
http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/novo/

Wons, I. Geografia do Paraná. 5ª ed. Curitiba; Ensino Renovado; 1985.
Recomendar esta página via e-mail: