(VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA) PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO (PNI-PR)


O Programa Nacional de Imunização foi criado em 1973, ocasião em que contava com apenas 4 tipos de vacinas e, ao longo de mais de 30 anos, cresceu, foi estruturado e organizado, transformando-se hoje em referência internacional. Atualmente conta com 40 tipos de imunobiológicos disponíveis para a população em geral, em todo o território nacional, e é gerenciado pelas coordenações estaduais.

Além da vacinação de rotina, o programa desenvolve vacinação de bloqueio (para doenças transmissíveis) sempre que necessário. Desenvolve, também, duas campanhas anuais contra a poliomielite, uma contra a influenza e campanhas de seguimento contra o sarampo, rubéola e síndrome da rubéola congênita, em parceria com o controle destas doenças, junto à Organização Panamericana de Saúde (OPAS) e Organização Mundial de Saúde (OMS).

No Programa Nacional de Imunização estão incluídos os Centros de Imunobiológicos Especiais (CRIE’s), bem como o monitoramento dos eventos adversos pós-vacinação e a manutenção da rede de frio para conservação dos imunobiológicos em todos os níveis, assegurando a qualidade dos produtos disponibilizados.
Para desenvolver as ações o Programa de Imunizações do Estado (PNI-PR) conta com 2.000 postos de vacinação funcionando rotineiramente, e 9.000 em dias de campanha, e realiza a aplicação de uma média de 6.000.000 de doses/ano.

Além disso, é responsável por capacitações de profissionais, assessoria e apoio aos serviços, aquisição de insumos como seringas, agulhas, equipamentos de refrigeração, entre outros, confecção e reprodução de materiais de divulgação e ensino e mantém em uso seis sistemas de informação. Necessita, portanto, de infra-estrutura compatível com a necessidade, sempre crescente, para continuar respondendo adequadamente ao controle das doenças imunopreveníveis.

O Paraná tem apresentado índices de coberturas vacinais satisfatórias (gráfico 1) e mantido o controle das doenças imunopreveníveis, embora uma média de 30% (gráfico 2) dos municípios ainda apresente dificuldades para alcançar as coberturas ideais. Cabe aos municípios a responsabilidade de executar as ações de vacinação. Para tanto devem buscar estratégias adequadas, proporcionando todas as condições necessárias para o desenvolvimento dessas ações, com a finalidade de atingir os índices pactuados.

Entre as dificuldades enfrentadas pelo PNI-PR destaca-se a escassez de recursos humanos capacitados nos municípios. Além de poucos profissionais disponíveis, há alta rotatividade dos mesmos, acarretando problemas no acompanhamento das ações, monitoramento dos indicadores, descumprimento dos compromissos assumidos, com conseqüente queda da qualidade e cumprimento dos objetivos do Programa.

Gráfico - Evolução da cobertura de vacinação, em menores de 1 ano no Paraná, 1991 a 2006


Recomendar esta página via e-mail: