(Vigilância Ambiental - Vetores) Informações Básicas - Dengue

Informações Básicas


Mosquito Aedes aegyptiDEFINIÇÃO
Dengue é uma doença febril aguda, de etiologia viral e de evolução benigna, na maioria dos casos. Pode apresentar duas formas clínicas: Dengue Clássico e Febre Hemorrágica do Dengue ou Dengue Hemorrágico. É a virose urbana mais difundida no mundo. Com exceção da Europa, ocorre em todos os continentes. É uma doença de áreas tropicais e subtropicais, onde as condições do meio ambiente favorecem o desenvolvimento do mosquito Aedes aegypti.

AGENTE INFECCIOSO
O vírus do dengue é um arbovírus (vírus transmitido por inseto). São conhecidos quatro sorotipos (Den 1, Den 2, Den 3 e Den 4).

MODO DE TRANSMISSÃO
A transmissão se faz de pessoa a pessoa através da picada do mosquito fêmea Aedes aegypti infectado. Uma vez infectado, o homem demora de 4 a 10 dias para apresentar os sintomas do dengue. O mosquito macho não transmite a doença, pois alimenta-se de seiva de plantas.

SINTOMAS
Na forma clássica a doença tem início súbito, com febre alta, dores musculares e articulares, dor atrás dos olhos, dor de cabeça, perda do apetite, náuseas, vômitos, prostração, além de manchas vermelhas na pele, podendo assim ser confundida com sarampo ou rubéola. O dengue hemorrágico tem sintomas semelhantes aos do dengue clássico, porém evolui com tendência a hemorragias, dores abdominais intensas, palidez cutânea, pele pegajosa e fria, agitação, sonolência, dificuldade respiratória, pulso rápido e fraco, podendo levar o paciente ao choque e à morte.

TRATAMENTO
Não há tratamento específico para o dengue. As medidas terapêuticas visam à manutenção do estado geral do paciente. Não devem ser usados derivados do ácido acetilsalicílico para combater a dor e a febre, pois podem provocar sangramentos. Recomenda-se tomar dipirona ou acetaminofen.

COMO O MOSQUITO SE REPRODUZ
O desenvolvimento do Aedes aegypti pode ser dividido em 2 fases (aquática e aérea), passando por 4 estágios distintos: ovo => larva => pupa => mosquito alado. Na fase aquática a fêmea do mosquito põe seus ovos nas paredes de recipientes com água. As larvas saem dos ovos e vivem na água por aproximadamente uma semana. Passam pelo estágio de pupa que dura de 1 a 2 dois dias, ao final do qual surge o mosquito alado ou adulto. O Aedes aegypti é um mosquito pequeno, escuro, com um desenho prateado em forma de lira no dorso e listras nas patas, podendo viver de 1 a 2 meses.

ONDE VIVE O AEDES AEGYPTI : em todo lugar onde existe água parada e limpa, em qualquer tipo de recipiente que acumule água. Exemplos: bacias, baldes, bandejas de escorrimento de geladeiras, barris, buracos de árvores, calhas de telhados, canaletas, drenos de escoamentos, garrafas, latas, panelas, pneus, potes, pratos, tambores, tanques, cisternas, urnas de cemitérios, vasos de flores, vidros, caixas d’água, copos descartáveis, casca de ovo, tampa de garrafa. Os locais preferidos para abrigo são armários e lugares escuros dentro de casa. No ambiente externo prefere lugares frescos e sombreados.

COMO É O ATAQUE
A fêmea do Aedes aegypti tem hábitos diurnos, pica as pessoas nas primeiras horas do dia e no final da tarde. Ataca preferencialmente no ambiente doméstico ou peridoméstico, uma vez que a maioria dos criadouros se encontram dentro das casas ou em seus arredores.

COMO PREVENIR A DOENÇA
Ainda não existe vacina contra o dengue, por isso a única garantia para que não ocorra a doença é a ausência do mosquito transmissor. Várias medidas preventivas, individuais ou coletivas, devem ser adotadas pelas instituições públicas e pela população em geral:

  • proteger-se de picadas do mosquito através de repelentes de insetos, mosquiteiros, telas em portas e janelas;

  • eliminar os criadouros do mosquito;

  • manter bem tampados os recipientes de armazenamento de água;

  • remover e dar um destino adequado ao lixo;

  • utilizar larvicidas (como o Temefós) nos focos de Aedes aegypti para matar as larvas em desenvolvimento;

  • em casos de epidemia, pulverização com inseticidas organofosforados sob a forma de aerossóis a ultra baixo volume ("fumacê") para eliminar os mosquitos adultos. Tais medidas não terão êxito se não contarem com a participação de toda a comunidade.


PORQUE O DENGUE TEM AUMENTADO NO MUNDO
Vários determinantes podem estar facilitando a disseminação do dengue, tais como:

  • rápido crescimento e urbanização desordenada das populações nas áreas tropicais.

  • alta densidade populacional nas área metropolitanas.

  • ausência de infraestrutura básica de saneamento, levando as pessoas a armazenarem água para utilização doméstica.

  • coleta de lixo inadequada ou ausente acarretando um aumento dos criadouros do mosquito.

  • aumento da produção de descartáveis.

  • maior freqüência de viagens facilitando o movimento migratório e a disseminação do vírus pelas pessoas infectadas.

  • intensificação das trocas comerciais entre países.

  • maior rapidez dos meios de transporte levando à dispersão do Aedes aegypti para lugares cada vez mais distantes.

  • pouco conhecimento da doença e seus meios de prevenção por parte da população.

  • insuficiência de recursos para os programas de combate ao mosquito, principalmente na fase de manutenção.

  • insuficiência de recursos humanos para o desempenho das atividades de combate ao mosquito.

  • surgimento de resistência dos mosquitos aos inseticidas.

Referência: Guia Brasileiro de Vigilância Epidemiológica 1998.
Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde

Recomendar esta página via e-mail: