(Escorpiões) Acidentes

Acidente por Escorpiões

Os acidentes escorpiônicos (ESCORPIONISMO) ocorrem com freqüência e são potencialmente graves em extremos de faixa etária. 50% dos acidentes notificados provêm dos Estados de Minas Gerais e de São Paulo e a maioria em meses quentes e chuvosos. Os escorpiões de importância médica pertencem ao gênero Tityus e são: T.serrulatus, T.trivittatus, T.bahiensis e T.stigmurus. Registra-se grande dispersão do T.serrulatus devida reprodução por partenogênese. A maioria dos casos tem curso benigno. Letalidade é de 0,58%, os óbitos tem sido associados, com maior freqüência, a acidentes causados por T.serrulatus, ocorrendo mais comumente em crianças menores de 14 anos.

Os escorpiões inoculam o veneno pelo ferrão ou telson, localizado no último segmento da cauda. São animais carnívoros, alimentam-se principalmente de insetos, como baratas e grilos. Com hábitos noturnos, durante o dia estão sob pedras, troncos, entulhos, telhas, tijolos.

ESCORPIÃO (Tityus)
Os escorpiões são pouco agressivos e têm hábitos noturnos. Encontram-se em pilhas de madeira, cercas, sob pedras e nas residências. Duas espécies merecem maior atenção médica: T.serrulatus (amarelo) e T.bahiensis (marrom).

 

Ações do Veneno: Estudos experimentais demonstraram que veneno bruto ou frações purificadas ocasiona dor local e efeitos complexos nos canais de sódio, produzindo despolarização das terminações nervosas pós-ganglionares, com liberação de catecolaminas e acetilcolina. Estes mediadores determinam o aparecimento de manifestações orgânicas decorrentes da predominância dos efeitos simpáticos ou parassimpáticos.

Quadro Clínico: Acidentes por T.serrulatus são os mais graves. A dor local (ardor, queimação ou agulhada) pode ser acompanhada por parestesias, aumentar de intensidade à palpação e irradiar-se para a raiz do membro acometido. Ponto(s) de inoculação nem sempre são visíveis, na maioria dos casos, há apenas discreto eritema e edema, podendo-se observar também sudorese e piloereção local. Nos acidentes moderados e graves, principalmente em crianças, após minutos até poucas horas (2-3h), podem surgir manifestações sistêmicas.

Manifestações Sistêmicas: Gerais: hipo ou hipertermia e sudorese profusa. Digestivas: náuseas, vômitos, sialorréia e, mais raramente, dor abdominal e diarréia. Cardiovasculares: arritmias cardíacas, hiper ou hipotensão arterial, insuficiência cardíaca congestiva e choque. Respiratórias: taquipnéia, dispnéia e edema pulmonar agudo. Neurológicas: agitação, sonolência, confusão mental, hipertonia e tremores.

A gravidade do quadro clínico depende de vários fatores como espécie e tamanho do animal agressor, quantidade de veneno inoculado, número de picadas, massa corporal da vítima e sensibilidade ao veneno, tempo decorrido entre o acidente e o tempo de atendimento médico.

Tratamento e Exames Complementares: Ver Quadro Resumo no final do capítulo.

OBS: Bothriurus bonariensis (escorpiões pretos), são encontrados no RS, PR e outros estados. Muito comum em Curitiba; têm hábitos noturnos, escondem-se sob pedras, troncos podres, vivem próximos a construções, entulhos e lixo doméstico. Veneno tem baixa toxicidade, pode ocorrer dor local e manifestações de hipersensibilidade, podendo o paciente apresentar-se assintomático. O tratamento é sintomático com analgésicos e antihistamínicos.

B. QUADRO RESUMO DAS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS E TRATAMENTO NOS ACIDENTES POR ARTRÓPODOS DE IMPORTÂNCIA TOXICOLÓGICA NO ESTADO DO PARANÁ 

ESCORPIÃO

QUADRO CLÍNICO

AVALIAÇÃO INICIAL

MANIFESTAÇÕES LOCAIS

MANIFESTAÇÕES SISTÊMICAS

ALTERAÇÕES LABORATORIAIS

TRATAMENTO ESPECÍFICO

TRATAMENTO COMPLEMENTAR E SINTOMÁTICO

LEVE

- Dor local

- Eventualmente taquicardia

- Nenhuma

__________

- Analgesia - dependendo da intensidade da dor (VO, I.M. ou bloqueio anestésico
- Compressa morna

MODERADA

 - Dor intensa

- Vômitos ocasionais
- Sudorese
- Agitação - taquicardia
- Taquipnéia
- Hipertensão arterial

 

- Hipoglicemia
- Amilasemia

2 - 3 ampolas SAEEs ou SAAr - I.V.

- Analgesia (ver caso leve)
- Meperidina pode ser necessário
- Internamento

GRAVE

- Dor intensa

- Sudorese profunda
- Vômitos incoercíveis
- Bradicardia
- choque
- Edema pulmonar agudo

- Hipoglicemia
- Amilasemia
- Bradicardia sinusal, bloqueio AV (ECG)
_ umento da área cardíaca e sinais E.A.P. (RX)

- 4 a 6 ampolas SAEES ou SAAR - I.V.

- Analgesia (ver caso leve)
- UTI

ABREVIAÇÕES

SAAr - Soro Antiaracnídeo

T.C. - Tempo de Coagulação

SAEEs - Soro Antiescorpiônico

I.V. - Intravenoso

V.O. Via Oral

I.M. Intramuscular

Recomendar esta página via e-mail: