HEPATITE B


Hepatite B - CID10: B16
Doenças Infecciosas e Parasitárias

ASPECTOS CLÍNICOS E EPIDEMIOLÓGICOS


Descrição -
Doença viral que cursa de forma assintomática ou sintomática (até formas fulminantes). As hepatites sintomáticas são caracterizadas por mal-estar, cefaléia, febre baixa, anorexia, astenia, fadiga, artralgia, náuseas, vômitos, desconforto no hipocôndrio direito e aversão a alguns alimentos e cigarro. A icterícia geralmente inicia-se quando a febre desaparece e pode ser precedida por colúria e hipocolia fecal. Hepatomegalia ou hepatoesplenomegalia também podem estar presentes. Na forma aguda os sintomas vão desaparecendo paulatinamente. Algumas pessoas desenvolvem a forma crônica mantendo um processo inflamatório hepático por mais de seis meses. Isto acontece com 5-10% do vírus da hepatite B. Portadores de imunodeficiência congênita ou adquidos adultos infectados e 90 a 95% dos recém-nascidos filhos de mãe portadora rida evoluem para a cronicidade com maior freqüência.

Agente etiológico - Vírus da Hepatite B (VHB). É um vírus DNA, família Hepadnaviridae.

Reservatório - O homem. Experimentalmente, chimpanzés, espécies de pato e esquilo.

Modo de transmissão - O VHB é altamente infectivo e facilmente transmitido através da via sexual; transfusões de sangue, procedimentos médicos e odontológicos e hemodiálises sem as adequadas normas de biossegurança; transmissão vertical (mãe-filho), contatos íntimos domiciliares (compartilhamento de escova dental e lâminas de barbear), através de acidentes pérfuro-cortantes, compartilhamento de seringas e de material para a realização de tatuagens e "piercings".

Período de incubação - De 30 a 180 dias (média em torno de 60 a 90 dias).

Período de transmissibilidade - Duas a três semanas antes dos primeiros sintomas e mantém-se durante a evolução clínica da doença. O portador crônico pode transmitir por vários anos.

Complicações - Cronificação da infecção, cirrose hepática e suas complicações (ascite, hemorragias digestivas, peritonite bacteriana espontânea, encefalopatia hepática) e carcinoma hepato-celular.

Diagnóstico - Pode ser clínico-laboratorial e laboratorial. Apenas com os aspectos clínicos não é possível identificar o agente etiológico, sendo necessários exames sorológicos. Os exames laboratoriais inespecíficos incluem as dosagens de aminotransferases - ALT/TGP e AST/TGO - que denunciam lesão do parênquima hepático. O nível de ALT pode estar três vezes maior que o normal. As bilirrubinas são elevadas e o tempo de protrombina pode estar aumentada (TP>17s ou INR>1,5) indicando gravidade. Os exames específicos são feitos através de métodos sorológicos e de biologia molecular.

Confira o endereço de cada um dos CTA’s do Paraná:

CTA Ivaiporã
R: Ponta Grossa,435
(43)3472-1788

CTA Telêmaco Borba
Rua Desembargador Edmundo Mercer Junior, 428
Centro - ao lado da sms.
(42) 3904-1644

CTA Toledo
R: 15 de Novembro,1287 - Centro
(45) 3252-1554 / (45) 3252-3524
CTA Jacarezinho
Av. Getulio Vargas, 1085
Jardim Maria Angelica
(43) 3911-3050 / (43) 3911-03032

CTA Cornélio Procópio
R: Justino Marques Bonifácio,17
Conjunto Vitor Dantas
(43) 3520-3517 / (43) 3904-1513 (fax)

CTA Londrina
Al. Manuel Ribas,1
(43) 3378-0146 / (43) 3378-0147

CTA Rolândia
Rua Alzita Tiburski, 102
Centro
(43) 3906-1142

CTA Cambé
R: Pará,152
Centro
(43) 3174-0216

CTA Apucarana
Rua Munhoz da Rocha, 1645
Centro
(43) 3901-1066

CTA Arapongas
R: Pombas,1294
Jardim Bandeirantes
(43) 3902-1266 / (43) 3209-1217

CTA Maringá
R: Tabaetê esq com rua Assunção s/n
Jardim Novo Horizonte
(44)3293-8334


CTA Paranavaí
Rua Rio Grande do Norte, 1840
Centro ao lado do edificio Aruanã
(44) 3424-8574

CTA Cruzeiro do Oeste
Av. Brasil, S/N
Centro
(44) 3676-2422 / (44) 3676-2999 / (44) 3676-2466 (sms)

CTA Umuarama
Av. Angelo Moreira Fonseca,786
(44) 3906-1033 / (44) 3906-1047 / (44) 3906-1048

CTA Campo Mourão
Av. Guilherme de Paula Xavier, 1844
Centro
(44) 3529-3347

CTA Cascavel
Av. Tancredo Neves,2433
(45) 3902-2681

CTA Foz do Iguaçu
Av. Paraná,1525 - 3º bloco (ao lado do Hospital Municipal)
Polo Centro
(45) 3522-6266

CTA Francisco Beltrão
R: Taubaté,380
Pinheirinho
(46) 3527-2363

CTA Pato Branco
Rua Olavo Bilac, 377
Mortoque
(46) 3902-1311


CTA Guarapuava
R: Getúlio Vargas,1391
Centro
(42) 3621-4524

Irati - Consorcio
Rua Cel. Grácia, 761
Centro
(42) 3423-2404

Irati - SMS
Rua Zeferino Bittencourt, 1263
Centro
(42) 3907-3135

CTA Ponta Grossa
R: Enf° Paulino ,200
Centro
(42) 3901-1783 (42) 3901-3024

CTA Castro
Pça do Rosário, 10
Vila Rio Branco
(42) 3906-2194

CTA Arapoti
R. Gan Albert Pot, S/N
Primavera
(43) 3557-4302

CTA São José dos Pinhas
R. Paulino Siqueira Cortes, 2198
Centro
(41) 3282-4455 / (41) 3398-2579 / (41) 3381-5835

CTA Piraquara
R: Angelo Galli,130
Centro
(41) 3673-8713
CTA Pinhais
R: Onze de Junho,277
Centro
(41) 3912-5399

CTA Colombo
R: José Maria Silva Paranhos, 513
Jardim Planalto
(41) 3606-0551 / (41) 3606-0730

CTA Almirante Tamandaré
R: Prof° Antonio Rodrigues Dias,199
Cachoeirinha
(41) 3698-4797

CTA Araucária
Rua Guilherme da Motta correia, 55
Centro
(41) 3901-5190 / 0800 643 4125

CTA Curitiba
R: Do Rosário,144
(41) 3321-2803

CTA Paranaguá
R: Renato Leoni s/n
Vila Divinéia

 

HEPATITE B AGUDA

Marcador

Significado

HBsAg

Primeiro marcador que aparece no curso da infecção pelo HBV. Na hepatite aguda, ele declina a níveis indetectáveis rapidamente

Anti-HBc IgM

Marcador de infecção recente, está no soro até seis meses após a infecção. Na infecção crônica, pode estar presente enquanto ocorrer replicação viral

Anti-HBc IgG

Marcador de longa duração, presente nas infecções agudas e crônicas. Representa contato prévio com o vírus

HBeAg

Indicador de replicação viral. Sua positividade indica alta infectividade.

HBV-DNA (quantitativo)

Níveis de HBV-DNA durante a fase de replicação intensa do vírus em geral estão acima de 100.000 cópias/ml. Níveis abaixo de 100.000 cópias/ml podem ser detectados em qualquer fase da doença, mesmo na convalescência.

Anti-HBe

Surge após o desaparecimento do HBeAg, indica o fim da fase replicativa

Anti-HBs

É o único anticorpo que confere imunidade ao HBV. Está presente no soro após o desaparecimento do HBsAg, sendo indicador de cura e imunidade. Está presente isoladamente em pessoas vacinadas


HEPATITE B CRÔNICA

Marcador

Significado

HBsAg

Sua presença por mais de seis meses é indicativa de hepatite crônica

HBeAg

Na infecção crônica está presente enquanto ocorrer replicação viral, exceto nas cepas com mutação pré-core (não produtoras da proteína "e").

Anti-HBe

Sua presença sugere redução ou ausência de replicação viral. Seu surgimento indica melhora bioquímica e histológica

HBV-DNA (quantitativo)

Como níveis de HBV-DNA podem ser encontrados em qualquer fase da doença, para moni torar tratamento é necessário utilizar o teste quantitativo. Considera-se positivo o resultado > 100.000 cópias/ml.

Diagnóstico diferencial - Hepatite por vírus A, C, D ou E; outras infecções como: leptospirose, febre amarela, malária, dengue, sepsis, citomegalovírus e mononucleose; doenças hemolíticas; obstruções biliares; uso abusivo de álcool; uso de alguns medicamentos e substâncias químicas.

Tratamento - Não existe tratamento específico para a forma aguda. Se necessário, apenas sintomático para náuseas, vômitos e prurido. Como norma geral, recomenda-se repouso relativo até praticamente a normalização das aminotransferases. Dieta pobre em gordura e rica em carboidratos é de uso popular, porém seu maior benefício é ser mais agradável para o paciente anorético. De forma prática, deve ser recomendado que o próprio paciente defina sua dieta de acordo com seu apetite e aceitação alimentar. A única restrição está relacionada à ingestão de álcool, que deve ser suspensa por seis meses no mínimo e, preferencialmente, por um ano. Medicamentos não devem ser administrados sem recomendação médica para que não agrave o dano hepático. As drogas consideradas "hepatoprotetoras", associadas ou não a complexos vitamínicos, não têm nenhum valor terapêutico. Em uma porcentagem dos casos crônicos há indicação do uso de interferon convencional ou lamivudina. Formas fulminantes devem ser acompanhadas em serviços especializados.

Características epidemiológicas - Estima-se que o VHB seja responsável por 1 milhão de mortes ao ano e haja 350 milhões de portadores crônicos no mundo. A estabilidade do vírus, variedades nas formas de transmissão e a existência de portadores crônicos permite a sobrevida e persistência do VHB na população. A infecção materno-infantil (vertical) e horizontal nos primeiros anos de vida ocorre em regiões de alta endemicidade como África, China e Sudeste Asiático. Já em regiões de baixa endemicidade, como Europa, EUA e Austrália, a contaminação ocorre na vida adulta, principalmente em grupos de risco acrescido. No Brasil temos alta endemicidade na região Amazônica, Espírito Santo e oeste de Santa Catarina, endemicidade intermediária nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste e baixa endemicidade na região Sul. Grupos populacionais com comportamentos sexuais de risco acrescido, como profissionais do sexo e homens que fazem sexo com homens, além de usuários de drogas injetáveis que compartilham seringas, profissionais de saúde e pessoas submetidas à hemodiálise apresentam prevalências maiores que a população em geral.

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Objetivos - Conhecer a magnitude, tendência e distribuição geográfica e por faixa etária, visando fortalecer as atividades de vacinação em áreas ou grupos de maior risco.

Notificação - Os casos suspeitos e confirmados devem ser notificados e investigados, visando à proteção dos contatos não infectados.

Definição de caso

Caso suspeito - Indivíduo com icterícia aguda e colúria e/ou dosagem de aminotransferases igual ou maior que três vezes o valor normal e/ou indivíduo com exposição percutânea ou de mucosa a sangue e/ou secreções, ou contato sexual ou domiciliar com pessoas suspeitas ou sabidamente HBsAg reagente e/ou anti-HBc IgM reagente, indivíduo com exames sorológicos reagentes em serviços que realizam triagem sorológica, indivíduo que desenvolveu icterícia subitamente e evoluiu para óbito, sem outro diagnóstico confirmado.
Caso confirmado - Será segundo a tabela abaixo:


Interpretação

HbsAg

HBeAg

Anti-
HbcIgM

Anti-HBc total

Anti-
HBe

Anti-
HBs

Incubação

(+)

(-)

(-)

(-)

(-)

(-)

Fase aguda

(+)

(+)

(+)

(+)

(-)

(-)

Fase aguda final/ hepatite crônica

(+)

(+/-)

(+/-)

(+)

(+/-)

(-)

Início fase convalescente/ infecção recente

(-)

(-)

(+/-)

(+)

(-)

(-)

Infecção passada/cura

(-)

(-)

(-)

(+)

(+/-)

(+)

Portador Assintomático

(+)

(-)

(-)

(+)

(+/-)

(-)

Medidas de controle - As medidas de controle incluem a profilaxia pré-exposiçao, pós-exposição, o não compartilhamento ou reutilização de seringas e agulhas, triagem obrigatória nos doadores de sangue, inativação viral de hemoderivados e medidas adequadas de biossegurança nos estabelecimentos de saúde. A vacinação é a medida mais segura para prevenção contra hepatite B. No Brasil a vacina é indicada para toda a população menor de 20 anos e para pessoas de grupos populacionais com maior a vulnerabilidade para a doença. Os seguintes grupos devem ser vacinados: profissionais da área de saúde; comunicantes domiciliares de portadores do HBsAg positivo; paciente em hemodiálise; politransfundidos; talassêmicos; hemofílicos; portadores de anemia falciforme; neoplasias, HIV (sintomáticos e assintomáticos); portadores da hepatite C; usuário de drogas intravenosas; pessoas em regime carcerário; pacientes internos em casas psiquiátricas; homens que fazem sexo com homens; profissionais do sexo e populações indígenas (todas as faixas etárias). O esquema básico de vacinação é de 3 doses, com intervalo de um mês entre a primeira e segunda dose e de seis meses entre a primeira e terceira doses. O volume a ser aplicado é de 1ml, em adultos, e 0,5ml, em crianças menores que 11 anos, a depender do laboratório produtor. A Imunoglobulina Humana Anti-hepatite B (IGHAHB), é indicada para pessoas não vacinadas após exposição ao vírus nas seguintes situações: recém nascidos de mães sabidamente portadoras de HBsAg positivo, nas primeiras horas de vida; acidente com ferimento cutâneo ou de membrana mucosa por instrumento perfurocortante contaminado com sangue; contato sexual com pessoa que tem sorologia positiva para HBsAg; e vítima de abuso sexual. Na dose 0,06 ml/kg de peso. (administrar simultaneamente a vacina). Os portadores e doentes devem ser orientados para evitar a disseminação do vírus, adotando medidas simples, tais como: uso de preservativos nas relações sexuais, não doar sangue, uso de seringas e agulhas descartáveis, evitando o compartilhamento. Recomenda-se também, consultar normas para Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais, Recomendações para imunização ativa e passiva de doentes com neoplasias e Recomendações para vacinação em pessoas infectadas pelo HIV.

Fonte: Doenças Infecciosas e Parasitárias: Guia de Bolso, Volume 1, 3ª edição, pág. 213 - Ministério da Saúde Brasília/DF - junho 2004

Recomendar esta página via e-mail: