Notícias da SESA

11/11/2013

Morango lidera ranking paranaense dos alimentos com mais agrotóxicos

5O Governo do Estado divulgou nesta segunda-feira (11) o relatório sobre os índices de agrotóxicos encontrados em frutas, legumes e verduras comercializadas no Paraná. De acordo com a análise de 54 amostras de alimentos, 13 apresentaram índices de resíduos de agrotóxicos em desacordo com os parâmetros da Vigilância Sanitária, o que representa 24% do total.

O relatório aponta ainda que morango foi o alimento que mais apresentou amostras insatisfatórias, com 71,4% de produtos irregulares. Ou seja, das sete amostras de morango coletadas, cinco estavam fora dos padrões aceitáveis e poderiam trazer riscos à saúde das pessoas que os consumissem.

Das amostras de morango em desacordo, somente 20% foram produzidas no Estado do Paraná. O restante foi produzido nos Estados de Minas Gerais e São Paulo. Por isso, a Secretaria Estadual da Saúde do Paraná informou as Vigilâncias Sanitárias dos respectivos Estados para que tomem as providências cabíveis. Já para os produtos de origem paranaense, a Secretaria Estadual da Agricultura e Abastecimento está notificando os produtores rurais para a regularização da situação.

Além do morango, o pimentão, a uva e o pepino também tiveram amostras consideradas irregulares. Os dados fazem parte do relatório do Programa Estadual de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA/PR), que avaliou as condições de vegetais como alface, banana, maçã, morango, pepino, pimentão, tomate e uva. Veja aqui o relatório estadual de 2012.

As amostras foram coletadas na unidade do Ceasa em Curitiba e em propriedades rurais do Estado do Paraná. Todo o trabalho foi realizado entre os meses de junho e outubro de 2013 por órgãos do Governo do Estado e da Vigilância Sanitária Municipal de Curitiba.

Esta é a segunda vez que o Paraná realiza um levantamento sobre a situação dos alimentos vegetais comercializados no Estado. No ano passado, o PARA/PR revelou que a alface, o morango e a uva tiveram resultados insatisfatórios.

De acordo o superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz, a ingestão contínua de alimentos com altos índices de agrotóxicos pode causar várias doenças, como depressão, má formação congênita, alguns tipos de câncer e problemas de imunidade e infertilidade. “Este acompanhamento que fazemos serve de ponto de partida para traçarmos estratégias a fim de garantirmos alimentos mais seguros à população”, destacou.

Desde o ano passado, o Governo do Estado está trabalhando para implantar um sistema de rastreabilidade dos vegetais à venda no comércio. Segundo Sezifredo, o sistema também vai permitir que as autoridades sanitárias identifiquem os responsáveis pelos produtos com excesso de agrotóxicos, mesmo quando o vegetal já está na gôndola dos mercados.
A previsão é que o sistema seja implantado em 2014, envolvendo principalmente os alimentos que apresentam os maiores índices de agrotóxicos.

1SUPERMERCADOS – No mês de outubro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou os números referentes à análise dos alimentos coletados em supermercados do Paraná. O relatório diz respeito ao ano de 2011 e 2012 e também traz um panorama geral da situação dos alimentos no país.

O documento aponta que, no Paraná, o pimentão foi o principal vilão em relação aos agrotóxicos, com todas as oito amostras analisadas sendo consideradas insatisfatórias. Em seguida, vem a abobrinha, com 70% das amostras irregulares e o morango com 69,7%. Como contraponto, o feijão foi o que obteve o melhor resultado, com 100% das amostras satisfatórias, seguido pelo arroz (93,3%), maçã (90%) e mamão (87,5%).

ORIENTAÇÃO – Apesar do consumidor muitas vezes não poder identificar a olho nu os alimentos irregulares, algumas medidas são recomendadas para se proteger dos agrotóxicos. “A população deve optar por alimentos da época, variando o cardápio e sempre lavando e descascando o vegetal antes de consumi-lo”, explicou o chefe do Centro Estadual de Vigilância Sanitária, Paulo Costa Santana.

As pessoas também devem dar preferência aos alimentos orgânicos, livre de agrotóxicos. “Mesmo assim é importante verificar se o produto tem origem certificada e produtor confiável”, afirma Santana.

RESPONSABILIZAÇÃO – Todos os laudos das análises consideradas insatisfatórias foram encaminhados à Secretaria Estadual da Agricultura e Abastecimento (Seab), à Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), à Vigilância Sanitária Municipal de Curitiba e ao Ministério Público do Paraná.

Desta forma, os órgãos competentes tomarão as medidas cabíveis para evitar a produção e comercialização de alimentos contaminados, além de responsabilizar os produtores.

Veja aqui o relatório do PARA Estadual de 2013, com as informações sobre os locais onde foram coletadas as amostras insatisfatórias

Veja aqui o relatório do PARA Nacional da Anvisa, com os resultados dos alimentos coletados em supermercados do Paraná
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.