Notícias da SESA

28/04/2014

Cursos de especialização certificados pela Escola de Saúde Pública tem aula inaugural

sa420 alunos de 14 turmas iniciaram os cursos de especialização para a formação de Gestores e Equipes Gestoras do SUS e de Gestão da Vigilância em Saúde ofertados pela Escola de Saúde Pública do Paraná (ESPP). A aula inaugural foi realizada na sexta-feira (25) na sede da escola em Curitiba, e transmitida para outras cinco cidades por videoconferência: Guarapuava, Ponta Grossa, Cascavel, Londrina e Maringá. Os dois cursos são os primeiros de especialização a serem certificados pela Escola de Saúde Pública paranaense.

O diretor-geral da Secretaria da Saúde, René José Moreira dos Santos, afirmou, na cerimônia de abertura, que os alunos formados pela Escola de Saúde Pública farão parte nas novas equipes gestoras do SUS. “Estamos vivendo um momento marcante na história da Escola de Saúde Pública do Paraná. Primeiro porque estamos formando novos gestores do SUS e da Vigilância em Saúde e segundo porque são os primeiros cursos certificados pela ESPP”, enfatizou Santos.

Segundo ele, o que os alunos do curso de especialização estão vivenciando hoje é a mesma oportunidade que muitos profissionais tiveram na década de 80, quando fizeram o curso de aperfeiçoamento em saúde pública pela escola do Paraná e eram conhecidos como sanitaristas “A”. “Este grupo em breve, e por merecimento, deixará de exercer suas atividades dentro do SUS e passará o bastão para os que estão chegando, por isso é preciso investir na formação de novos gestores”, afirmou.

Na aula inaugural, Santos foi convidado a falar aos novos alunos sobre os desafios contemporâneos para a gestão do Sistema Único de Saúde. Ele contextualizou a construção do SUS, as mudanças com a municipalização da saúde, o pacto pela saúde e o modelo de redes de atenção à saúde. Santos também destacou a complexidade do sistema e disse que não há como fazer gestão pública sem planejamento. “O planejamento diminui os riscos e nos torna mais assertivos”, enfatizou.

saEspecialização – Os alunos selecionados são profissionais que atuam em diversas áreas da saúde pública e buscam no curso de especialização o aperfeiçoamento de suas práticas cotidianas. As aulas serão realizadas às sextas-feiras nos períodos da tarde e da noite e, ao final do curso, os alunos farão o trabalho de conclusão (tcc) em formato de projeto aplicativo. Serão 400 horas-aula, com a possibilidade de término em um ano.

“É a primeira vez que o Paraná oferta um curso presencial, descentralizado e com o mesmo conteúdo para todas as turmas. O aluno deverá aplicar os conhecimentos no seu processo de trabalho, pois esta é a filosofia da educação permanente”, afirma a diretora da ESPP, Regina Gil.

Segundo ela, “no projeto aplicativo o aluno irá produzir informações de utilidade para a equipe onde ele atua, visando o fortalecimento das redes de atenção à saúde. E com isso, ele aperfeiçoa o trabalho desenvolvido e, consequentemente, melhora o atendimento à população paranaense”, enfatiza a diretora.

Silmara Assunta Castaman, dentista do município de Rio Negro, na região metropolitana de Curitiba, é aluna do curso Formação de Gestores e equipes gestoras do SUS e está animada com a especialização. “Estou no município há dois anos e me interessei por esta especialização porque pretendo seguir carreira no SUS, na coordenação de odontologia”, disse ela.

Anderson Carlos, nutricionista da maternidade municipal da Lapa, está fazendo o curso de Formação de gestores e equipes gestoras do SUS. Ele afirma que o curso agrega conhecimento ao trabalho desenvolvido no hospital. “Trabalho no SUS e com este curso poderei levar mais informações ao meu local de trabalho”, ressaltou Carlos.

saSandra Aparecida Martins Grochovski é pedagoga e servidora da coordenação de DST/AIDS e Hepatites Virais da Secretaria da Saúde, em Curitiba, e optou por cursar a especialização em Gestão da Vigilância em Saúde porque já trabalha na área. “Quero agregar conhecimento ao trabalho que desenvolvo dentro da coordenação”, afirmou.

Certificação – Há cerca de um ano a Escola de Saúde Pública recebeu da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná a autorização para certificar cursos de especialização passando a integrar o Sistema Estadual de Educação. Desde 2011, a Escola de Saúde Pública passa por uma reestruturação física e funcional, buscando o fortalecimento da política de educação permanente.

O primeiro passo foi a fusão da ESPP com o Centro Formador de Recursos Humanos. O segundo passo foi a certificação da escola, que agora poderá desenvolver programas de formação, criando quadros de profissionais capacitados para atender as necessidades do Sistema único de Saúde (SUS). “Com esta autonomia é possível que a Secretaria da Saúde defina qual é o curso prioritário e tenha agilidade para formar estes profissionais”, explica Regina.

Santos enfatizou que a Escola de Saúde Pública do Paraná tem cerca de 60 anos e era inadmissível ela não ser a certificadora dos cursos que ofertava. “Esta é uma grande conquista e em breve a Escola de Saúde passará por uma nova transformação, com a mudança de sede para o prédio histórico da Saúde, no centro de Curitiba, que será reformado para atender as necessidades da educação permanente”, afirmou o diretor-geral.

A ESPP trabalha em parceria com a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, com as universidades estaduais e com a Escola de Governo da Secretaria de Administração e Previdência.

Vigilância – O superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz, destacou que o curso de especialização faz parte de uma escala de capacitação dentro da área de vigilância. Neste primeiro curso são 230 alunos matriculados. Além da especialização, a Escola de Saúde Pública também oferece os cursos de formação para agentes de endemia e o curso técnico em vigilância em saúde.

“Estamos investindo novamente na capacitação de gestores da Vigilância em Saúde, pois se há um grande bem que uma instituição pode fazer é investir na capacitação de seus trabalhadores”, enfatizou o superintendente. De acordo com ele, um levantamento feito pelas equipes da Secretaria da Saúde mostrou que uma existia uma deficiência na qualificação e formação de equipes de vigilância em saúde.

A diretora da Escola de Saúde informou que, através da parceria com as universidades, a secretaria estadual da Saúde está elaborando o mestrado profissional na área de vigilância para proporcionar capacitação em vários níveis.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.