Matérias da SESA

09/10/2014

2ª dose da vacina contra o HPV já está disponível no Paraná

58Meninas com idade entre 11 e 13 anos devem ficar atentas às suas carteiras de vacinação. Neste mês de outubro, milhares de adolescentes têm que retornar a unidade de saúde para receber a segunda dose da vacina contra o HPV. Desde o início da vacinação, em março deste ano, mais de 216 mil paranaenses foram imunizadas.

Disponível gratuitamente na rede pública de saúde, a vacina protege contra os quatro subtipos do papilomavírus humano, responsáveis por 70% dos casos de câncer de colo de útero em todo o mundo. Segundo o superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz, a aplicação da segunda dose é essencial para garantir a proteção das jovens.

”Para que as meninas fiquem protegidas, o esquema vacinal deve estar rigorosamente em dia. Ou seja, a segunda dose tem que ser aplicada seis meses após a primeira vacinação, e a dose de reforço, cinco anos depois”, destacou.

No Paraná, a aplicação da segunda dose começou em setembro e imunizou 25 mil meninas. Isso representa apenas 10% do público-alvo no Estado. De acordo com o coordenador estadual de imunização, João Luis Crivellaro, para aumentar a cobertura vacinal é preciso alertar os pais sobre a importância de levar suas filhas à unidade de saúde.

“Alguns municípios realizaram ações nas escolas. Contudo, isso talvez não aconteça nesta segunda etapa, pois a vacina já entrou na rotina de vacinação. Por isso, é importante que as meninas sejam encaminhadas diretamente à unidade de saúde”, disse o coordenador.

PROTEÇÃO – Crivellaro ressalta ainda que a vacina é extremamente segura e sua eficácia é reconhecida internacionalmente. Ela estimula a produção de anticorpos específicos para cada tipo de HPV. “Até agora, não registramos qualquer caso de efeito colateral grave relacionado à composição da vacina. Isso demonstra que não há o que temer e os benefícios em longo prazo são comprovados”, reforça Crivellaro.

Caso os pais tenham alguma dúvida devem entrar em contato com a unidade de saúde mais próxima. Após a vacinação, é possível que ocorra eventos adversos leves, como pequenas dores no local de aplicação, inchaço e coloração avermelhada.

Além da vacina, a melhor forma de prevenir a doença é usar preservativo nas relações sexuais. O HPV também pode ser transmitido verticalmente, de mãe para filho durante o parto. Neste caso, a realização de um bom pré-natal é fundamental para evitar a doença.

CÂNCER – Atualmente, o câncer de colo de útero é a segunda principal causa de morte entre as mulheres no Paraná. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), estima-se que o Estado registre neste ano cerca de mil casos novos.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.