Matérias da SESA

18/04/2017

Profissionais de saúde do Paraná participam de capacitação sobre sífilis

Profissionais de saúde do Paraná participam de capacitação sobre sífilisA Secretaria estadual da Saúde oferece nesta terça e quarta-feira (18 e 19) oficinas sobre sífilis para profissionais de saúde em quatro regiões do Paraná: Curitiba, Londrina, Maringá e Pato Branco. O objetivo é formar multiplicadores para a prevenção, controle e redução da doença no Estado.

“Os números de sífilis estão cada vez mais altos, e isso justifica a necessidade de abordar o tema frequentemente e atualizar os conhecimentos. Nossos médicos precisam estar prontos para fazer o diagnóstico e o devido tratamento. Os enfermeiros devem estar aptos a acompanhar e orientar os pacientes”, fala a chefe do Centro estadual de Epidemiologia, Júlia Cordellini.

A programação deve reunir mais de 250 participantes, entre médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem estaduais e municipais de vigilância em saúde e atenção primária. “O curso dá base para esses profissionais proporcionarem orientação, atualização e conhecimentos indispensáveis para lidar com a sífilis”, explica a enfermeira da Divisão de DST/Aids, Mara Franzoloza.

Profissionais de saúde do Paraná participam de capacitação sobre sífilisDOENÇA – A sífilis é uma doença infecciosa divida em três tipos: adquirida (transmissão sexual), congênita (passa da mãe para o bebê) e em gestantes. Mara fala que a sífilis costuma ser assintomática, por isso é importante que as pessoas procurem as unidades de saúde e façam os testes rápidos gratuitamente para verificar a possibilidade de infecção.

No Paraná em 2016, foram registrados, em média, 4 mil novos casos de sífilis adquirida, 649 casos congênitos e 1.680 casos em mulheres grávidas. “Desde o ano passado, o Paraná foi pioneiro nessas capacitações. Nossa expectativa é fazer com que esses conhecimentos tornem nossos indicadores de sífilis vez menores. Queremos diminuir esses números nas três classificações da doença”, complementa Júlia.

A capacitação vai abordar o perfil epidemiológico, o manejo, discussão de casos clínicos, notificação, estratégias, entre outros. “São assuntos que dizem respeito tanto aos setores de Vigilância quanto à Atenção Primária em Saúde. O trabalho integrado é essencial para reduzir cada vez mais os casos de sífilis no Estado”, destaca a coordenadora da Rede Mãe Paranaense, Débora Bilovus.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.