Matérias da SESA

10/01/2018

Governo aplica 12,07% do orçamento estadual em Saúde em 2017

Governo aplica 12,07% do orçamento estadual em Saúde em 2017O Governo do Paraná aplicou 12,07% de suas receitas correntes líquidas em Saúde em 2017, o que equivale a R$ 3,7 bilhões, recursos do Tesouro estadual. Com o volume aplicado, o estado soma quase R$ 19 bilhões aplicados em ações e serviços de saúde na gestão do governador Beto Richa.
 
“Esse volume de recursos aplicados em saúde demonstra a prioridade que o Governo dá à área. Com investimentos fortes estamos conseguindo levar serviços de qualidade mais próximos das pessoas, nas cidades onde vivem”, disse o governador Beto Richa.

Com relação a 2016, foram aplicados R$ 374 milhões a mais em saúde. Também houve ampliação do orçamento com relação à previsão inicial. Com 99,63% de execução orçamentária, a Secretaria da Saúde encerrou o ano com incremento de 15,6% em relação ao orçamento inicial 2017, que era de R$ 3,2 bilhões.

O secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, destaca o aumento expressivo da aplicação de recursos em Saúde em comparação com os oito anos anteriores. “Em sete anos de governo, já investimos 277% a mais do que o aplicado em toda gestão anterior. Se acrescentarmos o orçamento inicial previsto que este ano, atingiremos mais de R$ 22,2 bilhões na área ao final desta gestão”, disse.

O orçamento inicial da Saúde para 2018 é de R$ 3,4 bilhões. No entanto, o secretário ressalta que esse valor deve ser ampliado, assim como tem se verificado ano a ano.

O diretor do Fundo Estadual da Saúde, Olavo Gasparin, ressalta a evolução do orçamento da área. “A variação percentual da execução orçamentária entre 2011 e 2017 chega a 233,65%. Saímos de uma execução orçamentária de R$ 1,6 bilhão para R$ 3,7 bilhões, fonte do Tesouro Estadual, o que trouxe ampliação da capacidade de financiamento das ações e serviços de saúde para a gestão estadual”, explicou. Governo aplica 12,07% do orçamento estadual em Saúde em 2017

AÇÕES – Com um orçamento digno e crescente, a Secretaria da Saúde pôde manter programas estratégicos e apoiar prefeituras, consórcios, hospitais, universidades e instituições da sociedade civil para ampliar o acesso da população a serviços públicos de saúde de qualidade.

Na ponta do sistema público de saúde, a Atenção Primária, porta de entrada do cidadão ao SUS, foram destinados desde 2011 mais de R$ 1 bilhão para que os municípios qualifiquem o atendimento. Através do programa Apsus, o Governo do Estado destinou recursos para obras em unidades básicas de saúde, aquisição de equipamentos e mobiliários, veículos para o transporte de pacientes e de equipes, além da capacitação dos profissionais que atuam na área.

O apoio aos hospitais públicos e filantrópicos também tem sido decisivo para ampliar atendimento em todas as regiões do Paraná. Com o repasse de recursos para custeio, investimentos e capacitação profissional, os 263 hospitais vinculados ao programa Hospsus puderam ampliar serviços, como a oferta de leitos de UTI, que cresceu mais de 60% na atual gestão – de 1176 leitos de Unidade de Terapia Intensiva disponíveis ao SUS no Paraná em 2010 para 1892 leitos de UTI ativos em 2017.

O transporte aeromédico é outro diferencial da atual gestão. Com a instalação de bases em Curitiba, Londrina, Maringá e Cascavel, a Secretaria da Saúde passou a contar com avião e helicópteros exclusivos para o transporte de pacientes em situação crítica, além de também contar com os aviões do governo para o transporte de pacientes e órgãos para transplantes. Desde 2011, mais de 9 mil pacientes foram atendidos pelo serviço.

N área da vigilância, os avanços também são significativos. Com a criação de um programa inédito no país, o Vigiasus, o Governo destinou recursos para que os 399 municípios pudessem aplicar na área de controle de doenças, vigilância sanitária, saúde do trabalhador e promoção da saúde, por exemplo. O Paraná é um dos únicos estados a destinar recursos do tesouro para a área de vigilância e em muitas cidades os valores repassados são maiores do que o enviado pelo governo federal.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.