Matérias da SESA

04/02/2019

Municípios da 2ª Regional de Saúde discutem estratégias para combater a febre amarela

Reunião FA 02RSDurante o fim de semana, a Secretaria de Saúde do Paraná promoveu uma reunião técnica com os secretários de saúde e prefeitos da 2ª Regional de Saúde, que abrange Curitiba e Região Metropolitana.

As reuniões técnicas fazem parte da estratégia de enfrentamento da febre amarela desenvolvida pela SESA. O Paraná vem se preparando para combater a doença desde a confirmação de casos em São Paulo, no ano passado. “Precisamos estar alerta e acima de tudo muito preparados. Vigilância, informação e principalmente uma boa estratégia de vacinação.

A febre amarela pode ser prevenida com uma única de vacina”, esclarece o diretor geral da SESA, Nestor Werner Junior. Ainda segundo ele, é preciso fazer um trabalho consciente e consistente já que existe um grande número de pessoas ainda não vacinadas. “Até o ano passado não havia recomendação de vacina para Curitiba e Litoral. Por isso, temos o desafio de vacinar esta população. O Estado do Paraná está preparado para essa ação. Temos vacina, mas precisamos da conscientização de cada um”. A pessoa só está protegida da doença 10 dias após a vacinação.

Na reunião de sábado foi comunicada a criação de um Centro de Operações em Emergências em Saúde (Coes) para atender a 2ª Regional. O objetivo do Coes é monitorar as ações e prestar atendimento aos municípios. A SESA já tem em funcionamento o Coes Central e também uma extensão no Litoral.

O vírus da febre amarela foi confirmado em dois macacos mortos no município de Antonina, no dia 25 de janeiro. No dia 29, exames laboratoriais confirmaram o primeiro caso de febre amarela no Paraná, em um jovem de 21 anos, que nunca havia sido vacinado. O jovem, morador de Antonina, foi internado, tratado e já teve alta.
O encontro foi no auditório da SESA no sábado (2) e foi similar ao realizado em Matinhos (26/01) com a 1ª Regional de Saúde.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.