Matérias da SESA

06/09/2019

Casos de sarampo no Paraná reforçam a importância sobre a vacinação

sarampoO boletim divulgado nesta semana pelas Divisões de Vigilância das Doenças Transmissíveis e de Vigilância do Programa de Imunizações da Secretaria da Saúde do Paraná confirma 7 casos de sarampo no estado.

A investigação dos casos confirma que 6 tiveram como provável fonte de infecção o estado de São Paulo, e um o estado de Santa Catarina, ou seja, as pessoas que contraíram a doença passaram pelos estados e devem ter sido contaminadas durante a viagem.

Ainda sobre os casos confirmados, 5 foram registrados na região Metropolitana, um em Campina Grande do Sul e quatro em Curitiba; um em Rolândia e outro em Jacarezinho. Hoje, o Paraná aponta 98 notificações para a doença.

MEDIDAS DE CONTROLE: Os casos de sarampo são de notificação obrigatória em até 24 horas. Todas as secretarias municipais de Saúde e as 22 Regionais de Saúde do Estado estão em alerta para receberem os avisos e encaminhamento imediato das medidas de controle, que são: coleta de amostras para exames; isolamento domiciliar do caso suspeito por 7 dias após o aparecimento do exantema, as machas vermelhas pelo corpo; bloqueio vacinal seletivo oportuno em até 72 horas, imunizando as pessoas que tiveram contato com o infectado, e monitoramento por 21 dias após a exposição com o caso suspeito ou confirmado.

VACINA: “O Governo do Paraná redobra os cuidados para a prevenção e alertamos a necessidade da imunização. Nossos esforços estão voltados para a ampliação do índice de vacinação atingindo 95% de cobertura vacinal. A vacina está à disposição na rede pública e significa a proteção contra a doença”, afirma o secretário da Saúde Beto Preto.

O esquema vacinal, que prevê a imunização a partir dos 12 meses de vida e reforço aos 15 meses. Devem receber duas doses da Vacina Tríplice Viral as pessoas de 1 a 29 anos, e uma dose as pessoas entre 30 a 49 anos. Além destas doses já previstas pelo calendário vacinal, o Paraná passou a disponibilizar a vacinação zero, voltada para crianças entre seis e onze meses de idade, seguindo instruções do Ministério da Saúde.

“Desde o surgimento dos primeiros casos de sarampo em junho deste ano em São Paulo, a secretaria estadual da Saúde do Paraná está em alerta, sensibilizando e orientando os profissionais que atuam na Imunização e na Atenção Primária. Todos os profissionais estão informados sobre o público alvo da vacinação e sobre as doses a serem recebidas. Nesta semana tivemos reuniões técnicas, por videoconferência, com o Ministério da Saúde e com profissionais de todas as Regionais do Estado”, destaca a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da Sesa, Maria Goretti David Lopes.

SARAMPO: O sarampo é uma infecção viral, aguda, altamente contagiosa, transmitida por via aérea, através da fala, espirro, tosse e respiração. Pode acometer todas as faixas etárias, tendo maior gravidade nos extremos de idade. O vírus do sarampo pode levar a complicações como encefalite, meningite e pneumonia, entre outras.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.