Estado e secretarias municipais de saúde discutem ações e investimentos para enfrentar a dengue
18/02/2020 - 17:50

CIB
A dengue e as filas eletivas do Paraná foram os pontos fortes da primeira reunião ordinária deste ano da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), que ocorreu na manhã desta terça-feira (18), em Curitiba.

Durante a reunião, o secretário falou sobre um incentivo financeiro em caráter emergencial que o Estado aportará aos municípios em epidemia ou em situação de alerta em relação à dengue.

“Estimamos em R$ 5 milhões esse repasse emergencial aos municípios, que já serão realizados nos próximos dias; é uma contrapartida do Governo do Estado e da Sesa para o combate à proliferação do mosquito da dengue e principalmente ao manejo clínico”.

O encontro reúne representantes estaduais e municipais na discussão e pactuação de ações na área de saúde no Paraná. Beto Preto ressaltou ainda a preocupação sobre os agravos que estão presentes no Paraná, além da dengue, com o sarampo e a febre amarela.

“Estamos em meio a três grandes problemas aqui no Paraná. No sábado em uma ação de vacinação, conseguimos imunizar cerca de 120 mil pessoas contra o sarampo. Porém, só na faixa etária mais atingida, de 20 a 29 anos, o Ministério da Saúde (MS) colocou a incumbência de fazer pelo menos 600 mil doses. Precisamos do trabalho pontual e efetivo de cada município. Da mesma forma é muito importante também vacinar contra a febre amarela, que está circulando no Estado”.

DENGUE – O grande foco da discussão fa dengue. Hoje são 26.692 casos confirmados no Paraná, 6.129 a mais que na semana passada, com 23 óbitos.

Geraldo Gentil, chefe de gabinete da Sesa, explicou como esse recurso será passado aos municípios. “Estamos levando em conta vários critérios para fazer a locação do recurso para os municípios, vamos observar critérios epidemiológicos, de incidência e de prevalência nos números de casos para que os municípios possam fazer frente a essas ações de manejo clínico dos pacientes”.

FILAS ELETIVAS – Outro assunto debatido durante a CIB foi a questão das  as filas de cirurgias eletivas. O secretário enfatizou ainda sobre a importância do atendimento regionalizado para que a realização das cirurgias sejam descentralizadas, seguindo o plano de Governo, bem como de contrapartida financeira de R$ 13,6 milhões para melhorar o atendimento.

“Enfatizo a importância dessa contrapartida estadual para ser colocada prioritariamente nas regiões de saúde, para que os prestadores dessas regiões possam ter uma ampliação da atenção do ponto de vista cirúrgico de algumas filas de espera”, explicou.

PRESENÇAS – Participaram gestores da Secretaria de Saúde do Paraná, equipes técnicas, integrantes dos Conselhos de Secretários Municipais de Saúde (Cosems/PR), Conselhos Regionais de Secretários Municipais (Cresems), gestores municipais e diretores das 22 Regionais de Saúde.

Carlos Andrade, presidente Cosems-PR parabenizou a postura e a gestão da Saúde no Estado, especialmente pela importância do projeto de regionalização.

“Mais uma vez a gente vê o Estado andando ao lado das secretarias municipais de saúde, afinal são nos municípios que as dificuldades acontecem, que as demandas aparecem. A sensibilidade do nosso secretário Beto Preto, em parceria com a sua equipe, junto ao Cosems, mostra uma grande perspectiva positiva, um otimismo muito grande de que a saúde do Estado do Paraná está no caminho certo”.