Importância de participação do PRI é reafirmada a prefeitos e secretários de saúde em reunião com Beto Preto
21/08/2019 - 18:40

PRI
O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, recebeu nesta quarta-feira (21) prefeitos e secretários municipais da região oeste do Estado e reafirmou a importância de participação e a construção conjunta do Planejamento Regional Integrado (PRI), que servirá de base para a elaboração do Plano Estadual de Saúde no período 2020 a 2023.

“Vamos trabalhar diferente do que já foi feito até hoje na saúde. Queremos que os gestores municipais olhem para a sua região e percebam o que têm, o que falta e o que pode ser alterado. Nosso propósito é criar um plano vivo que norteará a saúde para os próximos anos no Paraná”, explicou Beto Preto.

Durante o encontro, os prefeitos, secretários de saúde e representantes dos municípios esclareceram dúvidas, sugeriram e solicitaram informações sobre o PRI.

Ivete Gonzato Tomazin, secretária Municipal de Saúde de Vera Cruz D’Oeste, definiu o momento como um processo de extrema relevância a possibilidade de discussão do planejamento. “É importante estarmos fazendo o planejamento e o levantamento das necessidades de cada município, porque cada local tem as suas dificuldades. E assim, com um diagnóstico, essas dificuldades vão aparecer”.

Ela explicou também que a regionalização mais estruturada dos serviços será fundamental para um mapa mais claro da saúde estadual. “No PRI eu vou apontar quais são as dificuldades do meu município e também aonde eu tenho algo dos meus serviços que posso oferecer para outros municípios. Pensar também na nossa regional, porque planejamos com o entorno, com os nossos vizinhos.”

Diretriz – O Planejamento Regional Integrado é um processo que está em desenvolvimento desde maio e se estenderá até dezembro de 2019. O PRI prevê a definição do conjunto de diretrizes, objetivos, metas e ações para a área da saúde que, consolidados, serão a base para o Plano Estadual de Saúde dos próximos anos.

A secretária de Vera Cruz D’Oeste indica que o diagnóstico também vai direcionar serviços que já existem, mas que não estão sendo efetivos. “Também precisamos indicar os serviços que já estão pactuados, mas que ao mesmo tempo não estão funcionando. E aí não adianta ter o serviço oferecido como está ser mantido”.

Ineditismo – Jurandir Parzianello, advogado da Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (Amop), esclarece que o processo do planejamento é inédito. “É uma mudança de paradigma, torcemos para que ele seja eficiente. Todo o planejamento democrático amplia o olhar. A Amop fará uma reunião na próxima semana para que os 55 municípios do oeste já exponham as demandas e as suas metas com intuito de dinamizar e participar ativamente desse processo”.

As próximas etapas do PRI são: oficinas macrorregionais, finalização dos diagnósticos e consolidação das prioridades para elaboração da primeira versão do Plano.

Reivindicações – Durante a reunião, os representes da 10ª e 20ª Regionais de Saúde solicitaram demandas em relação ao atendimento para a ortopedia. O secretário Beto Preto informou que a partir do diagnóstico das regionais, a situação deve ser resolvida. “Com o PRI teremos esse panorama de todo o Paraná. A partir das informações e das necessidades diagnosticadas poderemos planejar e redirecionar investimentos para que sejam supridas as demandas retraídas na área de saúde pública.”

Estiveram presentes prefeitos e secretários de saúde dos municípios de Assis Chateaubriand, Cascavel, Formosa do Oeste, Iracema do Oeste, Jesuítas, Marechal Cândido Rondon, Mercedes, Nova Santa Rosa, Palotina, Quatro Pontes, Santa Helena, Terra Roxa, Toledo, Tupãssi, além do deputado estadual Marcel Micheletto.