Rede de Atenção Psicossocial é prioridade na atual gestão
17/05/2019 - 18:10

luta
No dia 18 de maio, este sábado, é comemorado o dia da Luta Antimanicomial. O movimento surgiu em 1987 para comemorar os avanços conquistados pela Reforma Psiquiátrica brasileira e a luta pelo direito das pessoas com sofrimento mental a receberem cuidados e tratamento em liberdade dentro da comunidade.

A Rede Estadual de Atenção Psicossocial da Secretaria da Saúde do Paraná viabiliza serviços com atendimento integral às pessoas com transtornos mentais e necessidades decorrentes do uso de álcool e outras drogas.

A Rede Estadual de Atenção Psicossocial conta com diversos componentes: atenção básica à saúde, atenção psicossocial especializada, atenção de urgência e emergência, atenção residencial de caráter transitório, atenção hospitalar, estratégias de desinstitucionalização e reabilitação psicossocial.

São 52 ambulatórios distribuídos em 19 regionais de saúde, 143 Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) de todas as modalidades, 132 leitos psiquiátricos e 21 leitos de saúde mental em hospitais gerais, 13 hospitais psiquiátricos, sendo um hospital próprio, que contam com 1.884 leitos e 16 Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT).

“A área de saúde mental é uma das mais complexas e exige um olhar diferenciado dos profissionais de saúde. Por isso é importante preconizar o trabalho em rede, fortalecer os pontos de atenção às pessoas com transtornos mentais, principalmente em decorrência do uso de álcool e outras drogas”, conta a superintendente de Atenção em Saúde, Maria Goretti Lopes.

INTEGRAÇÃO – A Rede de Atenção Psicossocial é uma das prioridades no Paraná. “Buscamos aumentar e qualificar a rede extra-hospitalar para atenção às pessoas com demandas de saúde mental. O maior objetivo é a integração entre os pontos de atenção e o desenvolvimento de ferramentas para consolidar esse cuidado na Atenção Primária dos municípios”, enfatiza João Luís Crivellaro, chefe de Atenção as Condições Crônicas da SESA.

A estratificação de risco, realizada dentro do serviço de saúde, identifica o usuário em baixo, médio e alto risco e, a partir disso, o profissional poderá verificar qual o ponto de atenção que melhor atenderá às necessidades do usuário, bem como elaborar em conjunto o seu plano de cuidados.

Em alguns casos, pode haver o encaminhamento para ambulatórios, CAPS, Serviços Integrados de Saúde Mental (SIMPR), entre outros, sempre mantendo a vinculação com a APS (Atenção Primária a Saúde)

ATENÇÃO PRIMÁRIA – O CAPS faz a articulação com a Atenção Primária, proporcionando que casos mais leves sejam atendidos na própria Unidade de Saúde. Ainda com a estratificação de risco, os encaminhamentos são realizados com mais segurança.

SIMPR – Os Serviços Integrados de Saúde Mental (SIMPR) são um dos diferenciais da rede. Atualmente seis regiões já contam com o serviço – Guarapuava, Marmeleiro, Cascavel, Cornélio Procópio, Coronel Vivida e Toledo.

O SIMPR oferece acompanhamento de saúde e reinserção social às pessoas com necessidades decorrentes do uso de álcool e outras drogas e também atendimento a pacientes em crise, podendo oferecer acolhimento noturno.

SUICÍDIO – Como parte de rede de cuidados, a Coordenação Estadual de Saúde Mental e a Escola de Saúde Pública do Paraná lançaram em 2018 o Curso EaD de Prevenção do Suicídio, durante o setembro amarelo, mês dedicado à prevenção.

Um curso com esse tema é de grande importância, considerando a necessidade de qualificar as ações dos profissionais para que sejam capazes de identificar comportamentos suicidas e saber como realizar a prevenção e manejo.

O curso é voltado para toda a rede intersetorial, tendo em vista que a prevenção do suicídio é um trabalho em conjunto, que deve envolver toda a rede e a sociedade.

O curso é oferecido na modalidade de Ensino a Distância, totalmente gratuito, com carga horária de 65 horas, podendo ser feito de acordo com a disponibilidade de horário do aluno.

É composto por quatro unidades: Unidade 1 – O que é Suicídio; Unidade 2 – Prevenção do Suicídio; Unidade 3 – Abordagem do paciente com comportamento suicida; Unidade 4 – A Rede e a Prevenção do Suicídio (com aulas temáticas sobre a prevenção do suicídio na Saúde, Educação, Assistência Social e na População Indígena).

Realizado com a validação do professor da Unicamp/SP, Neury Botega, um dos maiores nomes da suicidologia no Brasil, o curso já atingiu o número de 3.745 alunos no Paraná. No início deste mês foi disponibilizado em nível nacional em parceria com o Ministério da Saúde.
O curso na Plataforma Nacional em menos de um mês já atingiu o número de 1.155 alunos inscritos, com diversas avaliações positivas.

É possível se inscrever pelo link:

http://pr.avasus.ufrn.br/local/avasplugin/cursos/curso.php?id=18