Secretário aponta desafios para superar impacto de acidentes de trânsito na saúde pública em Fórum Nacional
13/11/2019 - 19:50

Vida no Trânsito
A possibilidade de um trânsito mais seguro e os impactos para a saúde pública estão sendo debatidas no I Fórum Nacional e IV Fórum Estadual do Programa Vida no Trânsito do Paraná, em Foz do Iguaçu.

Especialistas de diversas áreas estarão juntos até quinta-feira (14) apresentando alternativas e estratégias com a meta de diminuir o cenário de segunda maior causa de mortes no país. O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, participou da abertura do evento, que aconteceu nesta quarta-feira (13).

“O compromisso da década é diminuir 50% o número de mortes no trânsito. Hoje vivemos um cenário muito preocupante, porque muitas pessoas ou morrem ou ficam com sequelas em razão de acidentes. E a saúde pública tem um impacto com esta realidade, pois são pessoas que vão parar nos hospitais, nas unidades de saúde. Precisamos conscientizar sobre isso e este é o propósito aqui, de levarmos uma mensagem e chamarmos atenção das pessoas”, afirmou.

O Programa Vida no Trânsito (PVT) iniciou no Paraná em 2010 com o objetivo de articular ações de prevenção sobre o tema, com a participação do Ministério da Saúde, de Estados e municípios, cumprindo assim a meta estabelecida pelas Nações Unidas de redução de mortes no trânsito em 50%, entre 2011 e 2020.

Dados preliminares, tabulados pela Secretaria de Estado da Saúde, de janeiro até agosto de 2019, mostram que no Paraná 1.423 pessoas morreram no trânsito. A maior ocorrência é de acidentes com veículos, 643 casos, e a segunda é de motociclistas, com 399 apontamentos e 295 de pedestres.

“O trânsito é um grande tema de saúde pública, pois temos ainda além da morte, a reabilitação do paciente. Isso impacta para a sociedade, para a área econômica do país. E o projeto tem que ser multisetorial, com várias áreas envolvidas. Mas principalmente a educação, porque é preciso que a educação no trânsito efetivamente aconteça”, destacou a Luciana Sardinha, coordenadora do Ministério da Saúde.

Representantes da área de segurança, do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), da Polícia Rodoviária Federal e Estadual, além de profissionais da área, de gestores municipais de trânsito, além da Organização Panamericana de Saúde (OPAS), do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) das discussões.

Para o presidente da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), Juarez Monteiro Molinari, a temática é preocupante, pois os números de acidentes no trânsito aumentam a cada dia.

“As mortes no Brasil, lamentavelmente, estão bem acima do que as estatísticas dizem. São mais de 50 mil pessoas que morrem por ano, e são mais 300 mil sequelados por ano. É uma realidade dura e muito séria. Esperamos que deste evento saia uma ação ainda mais forte por parte dos municípios para que aja redução de casos”.

Diversas palestras, mesas-redondas e debates acontecerão nos dois dias do fórum. Temas como a política nacional de mobilidade, a expansão do PVT nos Estados, e s experiências brasileiras sobre ações de cuidado e orientação no trânsito nos municípios estarão na pauta.

GALERIA DE IMAGENS