Sesa conclui mais uma etapa do PRI: oficinas macrorregionais foram realizadas em Cascavel, Cianorte, Curitiba e Londrina
12/09/2019 - 17:00

NestorPRI
No período de 27 de agosto a cinco de setembro foram realizadas as quatro oficinas nas macrorregionais do Estado para apresentação e discussão das informações e dados que constam nos diagnósticos regionais. O material compilado dará corpo aos planos regionais e macrorregionais e será a base para a construção do Plano Estadual de Saúde.

A próxima etapa do Planejamento Regional Integrado (PRI) é a consolidação das informações coletadas durante as oficinas para identificar e definir as prioridades sanitárias das regiões de saúde. Serão organizados os diagnósticos das macrorregiões, programas, políticas de saúde realizada a revisão dos mapas estratégicos.

O secretário de saúde, Beto Preto, reforçou que o PRI é um processo essencial para melhorar o acesso aos serviços de saúde. “Com essa ação ascendente queremos saber como está o serviço ofertado para a população. O que falta e o que podemos remanejar ou planejar para frente. Pensamos sempre em oferecer mais com menos, para chegar à eficiência financeira e operacional que buscamos no governo Ratinho Júnior.”

O PRI está em desenvolvimento desde fevereiro e se estenderá até dezembro de 2019. O planejamento é um processo que prevê produtos finais com definição de diretrizes, objetivos, metas e ações para a área da saúde nas esferas regionais e macrorregionais. “Com esses dados podemos trabalhar mais assertivamente. Saberemos a partir dos municípios o que tem de necessidade e é, de fato, um problema real, porque nem sempre as questões são semelhantes ou iguais no Estado todo, cada região tem a sua especificidade. Baseados em dados, definiremos o que é prioridade para investimentos futuros”, explicou o diretor geral da secretaria, Nestor Werner Junior.

O processo do PRI é coordenado pelo estado em articulação com os municípios e a União. O diretor geral da secretaria, que coordena o processo do planejamento, indica que as demandas estão surgindo nos encontros com os representantes das regionais. “Participando de todas as etapas e reuniões eu percebo que os representantes das regiões estão empenhados para pensar em como reorganizar a nossa rede para melhorar o cuidado em áreas de atenção que têm efetiva necessidade. E o diagnóstico está nos mostrando dados e apontando o que é importante para essa reorganização”, esclareceu Werner Junior.

Participaram dos encontros aproximadamente 270 pessoas representantes do grupo condutor estadual formado pela Secretaria de Estado da Saúde, conselho de secretários municipais de saúde do Paraná, superintendência do Ministério da Saúde no Paraná, regionais de saúde, conselhos regionais de secretários municipais de saúde, secretarias municipais de saúde e conselho estadual de saúde.

PRODUTOS – O PRI terá como produtos finais 22 planos regionais de saúde e 4 planos macrorregionais. Os documentos devem conter informações que demonstrem a área territorial que abrangem e sustentabilidade do serviço, com detalhamento sobre: as necessidades e a capacidade instalada; as prioridades sanitárias, diretrizes, objetivos, metas, indicadores e prazo de execução; responsabilidade dos entes federados; programação das ações e serviços em saúde.

Além dos Planos Regionais e Macrorregionais, as informações do planejamento serão a úteis também para a elaboração do Plano Estadual de Saúde que norteará de forma ampla ações da saúde para o período de 2020 a 2023.