Sesa recebe evento que alerta para segurança e saúde no trabalho
19/09/2019 - 15:00

saude
Na manhã desta quinta-feira (19), a Escola de Saúde Pública do Paraná sediou a abertura da Semana Estadual de Segurança e Saúde no Trabalho. O evento foi realizado pela Superintendência Geral de Diálogo e Interação Social do Estado do Paraná (SUDIS) e teve o apoio da Secretária de Estado da Saúde(Sesa). De acordo com dados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), em 2018, o Paraná registrou 38.513 acidentes de trabalho, destes, 220 foram a óbito.
“É importante cada vez mais discutirmos este assunto, porque temos trabalhadores adoecendo e a falta de segurança mínima é uma questão que precisamos superar. Não podemos imaginar que uma pessoa que saia da sua casa para garantir a sua condição de vida, ainda possa voltar doente”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.
Criada pela Lei Estadual 16.215/2009, a Semana Estadual de Segurança e Saúde do Trabalho faz parte do calendário oficial do Estado. “O governo do Paraná está contribuindo para que os trabalhadores, interessados, responsáveis e estudiosos tenham cada vez mais a consciência do fazer e não a obrigatoriedade do fazer. É preciso desenvolver técnicas para que o mundo trabalhe na ciência, segurança e prevenção dos acidentes”, explicou Walter Cezar, organizador do evento e coordenador dos Movimentos Trabalhistas e Sociais da SUDIS.
O diretor do Centro Estadual de Saúde do Trabalhador (Cest), Elizeu de Oliveira Freitas, destacou a importância da prevenção. “Nós buscamos junto a todos os envolvidos a prevenção para a diminuição do adoecimento e dos acidentes de trabalho. O Paraná é o único Estado que possui uma política de segurança no trabalho estabelecida, cada vez mais os servidores são capacitados para ter esse olhar de prevenção e cuidados na segurança do trabalhador”.
De acordo com Adir de Souza, técnico da Fundação Jorge de Prá Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho (Fundacentro), é preciso difundir o conhecimento sobre o assunto. “Devemos criar a cultura de saúde do trabalho, temos que falar dos cuidados todos os dias. Desde 1970, quando começaram as notificações por acidentes de trabalho, mais de 160 mil pessoas morreram. Esse é um número muito alto, não podemos deixar que isso seja normal”, disse.
O auditor fiscal do Ministério do Trabalho Fábio de Campos enfatizou que a prevenção é o melhor ensinamento para que os acidentes sejam evitados. “A cultura da prevenção ainda é pouco disseminada, as pessoas se colocam em situações de risco por necessidade, se submetem a realizar atividades de risco sem a devida capacitação e acabam vítima da própria ignorância da atividade a qual se submetem. Precisamos mudar essa cultura, o trabalhador precisa ter a consciência de não se submeter a determinadas atividades sem o suporte e capacitação necessárias”.