Campanha Nacional de combate a sífilis chama atenção para a prevenção contra a doença
12/07/2019 - 17:00

sifilis
Apoiadores representando todos os estados participaram, em Brasília, da Oficina do Projeto Interfederativo de Resposta à Sífilis - Campanha Nacional Teste, Trate e Cure – Sífilis, Não!,  que tem o objetivo de incentivar ações sobre a importância da prevenção contra a doença e ampliar o acesso ao diagnóstico e  tratamento na Rede Básica de Saúde.
A apoiadora da campanha no Paraná, Lilian Machiorato, explicou que  as atividades serão concentradas inicialmente em Curitiba e Almirante Tamandaré, cidades que apresentam maior número de casos. “O foco será ampliar a realização do teste rápido da doença, as ações educativas e a linha de cuidados para crianças que são atingidas pela sífilis congênita”.

Sífilis - A sífilis é uma infecção causada por bactéria (treponema pallidum), transmitida por relação sexual  com  pessoa infectada, que é chamada de sífilis adquirida, ou ainda transmitida para crianças durante a gestação ou parto, chamada de sífilis congênita.
A doença passou a ser notificada pelos órgãos de Saúde em 2010. Em 2017 foram registrados 7851 casos, em 2018 foi confirmado um aumento de 27%. Este ano já foram confirmados 2213 casos.
Segundo a coordenadora da Divisão de Doenças Sexualmente Transmissíveis da secretaria da Saúde do Paraná, Mara Franzoloso, a principal recomendação para a prevenção é o uso de camisinhas na relação sexual, reforçando também a importância de procurar os serviços de saúde para fazer os testes rápidos que possibilitam o acesso ao diagnóstico.
A Secretaria de Estado da Saúde do Paraná está atuando com várias ações, para o controle e redução da sífilis sempre incentivando o diagnóstico e tratamento oportuno.

Sintomas - A sífilis é uma doença infecto contagiosa de evolução crônica. Quanto ao tempo de infecção ela se classifica em latente recente e latente tardia e, quanto as manifestações clínicas, ela se classifica em prímária, secundária e terciária. Na sífilis primária, seu sinal é uma lesão indolor geralmente localizada nos órgãos genitais, sem prurido e indolor, por isso pode passar sem ser percebida.

Sem tratamento ela poderá evoluir para sífilis secundária apresentando sintomas como erupções na pele.Quando não tratada entre 15 a 25% dos casos poderão evoluir para sífilis terciária, com comprometimento neurológico e cardiológico. Quando a sífilis ocorre na gestação, é muito importante que a gestante receba a medicação e que seu parceiro faça o tratamento concomitantemente., pois na ausência de tratamento ou tratamento inadequado da sífilis na gestação, provoca sérias complicações para a criança, ocasionando a sífilis congênita.

Diagnóstico – Pela metodologia de testes rápidos, O diagnóstico pode ser conhecido em menos de 30 minutos com apenas uma gota de sangue (punção digital). O tratamento para a doença é baseado na penicilina G benzatina, que está disponível em toda a rede de saúde pública. Segundo a coordenadora da Sesa, “ não existe vacina para sífilis, por isso a importância de  buscar o tratamento e, principalmente, seguir a medida preventiva que destaca o uso da camisinha ”.

Últimas Notícias