Audiência pública debate necessidades dos cuidados da saúde bucal
29/10/2019 - 16:20

Secretário participou do encontro que ocorreu na manhã de terça-feira (29), no Plenarinho da Alep, como parte das ações da Semana Estadual da Saúde Bucal, definida pela Lei nº 18.870, de 2016.

Deputados, representantes de instituições da área da odontologia, cirurgiões dentistas e população em geral participaram de audiência pública com o tema: “Saúde Bucal: Promoção, Conscientização e Prevenção no Estado do Paraná”. Iniciativa partiu dos deputados estaduais Nelson Luersen e Professor Lemos.

O cuidado com o organismo de maneira ampla é essencial para manter o corpo saudável e prevenir doenças. Com a saúde bucal não é diferente. Além dos dentes, a gengiva, a língua, as bochechas e o pescoço devem ser examinados frequentemente pelo profissional dentista.

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, afirmou que é preciso focar para grupos que ainda não tiveram um olhar mais cauteloso, como os idosos. “Nos próximos anos vai ocorrer a inversão e teremos mais pessoas acima dos 60 anos que abaixo dos 15 anos. Essa alteração de característica da população precisa ser pensada pelas políticas públicas, assim a questão de saúde do idoso como um todo é uma das nossas prioridades”, lembrou.

Além disso, Beto Preto demonstrou a relevância que a saúde bucal tem em relação à qualidade de vida. “Sabemos que o cuidado com a dentição é de extrema importância, mas a política de promoção e prevenção à saúde bucal completa é essencial porque previne além de cárie, previne e mostra sinais de patologias em todo o corpo. É por essa parte do nosso organismo que conseguiremos evitar infecções e que é possível a detecção de doenças como o câncer”, esclareceu.

O mestre e doutor em Estomatologia, cirurgião bucomaxilofacial do Hospital Erasto Gaertner, Fernando Luiz Zanferrari fez uma palestra apresentando casos e ocorrências de atendimentos no hospital. Ele explicou que o câncer pode e deve ser detectado ainda no início. “Detectar logo no início dá qualidade de vida para o paciente e o poupa de uma série de consequências, como cirurgias evasivas e tratamentos como radioterapia e quimioterapia.”
O cirurgião abordou ainda que o tabagismo e o etilismo são dois vícios, dependências, que também propiciam o câncer. “O tabagismo e o etilismo são dois hábitos tão prejudiciais à saúde e também tão difíceis de combater porque são as ditas drogas lícitas. Esses dois hábitos, duas dependências, auxiliam ao aparecimento de complicações na boca e por consequência em todo o organismo e na vida do paciente”.

O coordenador da Saúde Bucal da Sesa, Pedro Henrique Dias, explica que o Paraná é uma referência nacional na área. “Somos referência para o país todo e queremos manter esse padrão. Por isso sabemos que temos muito a fazer e dar continuidade ao que está caminhando bem”.

REFERÊNCIA – Paraná e Minas Gerais são os únicos estados considerados com Rede de Atenção à Saúde Bucal, segundo o Ministério da Saúde. No Paraná, há um conjunto de ações que envolvem o controle das doenças bucais, através da promoção, prevenção e limitação dos danos causados pelas doenças e reabilitação integral do paciente. A Rede está constituída nos 399 municípios paranaenses.

A Rede conta com 1.271 equipes do Programa Saúde da Família. 51 Centros de Especialidades Odontológicas, 95 laboratórios regionais de Prótese Dentária, Centro Regional de Atendimento Integrado ao Deficiente e o Centro de Atendimento Integral ao Fissurado Labiopalatal são exemplos destas ações. A ampliação e regionalização dos atendimentos de alta complexidade estão em estudo por meio do Planejamento Regional Integrado (PRI), que apontará as necessidades e prioridades da saúde no Estado.

TRABALHO PREVENTIVO – A Sesa desenvolve programas como o bochecho com flúor nas escolas da rede pública de ensino para a prevenção da cárie há aproximadamente 40 anos. Somente essa ação impacta diretamente cerca de um milhão de crianças e adolescentes. A água fluoretada é um projeto já tradicional realizado em parceria com a Sanepar há mais de 60 anos no Estado. Atualmente 385 municípios já recebem abastecimento de água com flúor e até 2020 a previsão é ampliar para todas as cidades do Paraná.
A cárie é considerada uma doença infecto-contagiosa multifatorial, que depende de vários fatores para se instalar. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a cárie dental é a segunda doença mais comum no mundo. Apenas o resfriado tem mais ocorrências que a cárie.
Para prevenir a cárie é preciso escovar os dentes a cada refeição, usar fio-dental diariamente, fazer bochecho com enxaguante bucal e visitar regularmente o dentista.

AÇÕES – Outra atividade desenvolvida pela Saúde é o incentivo aos cirurgiões dentistas para aperfeiçoamento profissional. No Encontro Paranaense de Administradores e Técnicos em Saúde Pública Odontológica (Epatespo), realizado este ano, 200 dentistas servidores da Sesa participaram de palestras, cursos ou com a apresentação de trabalhos.
Estão previstos ainda para os próximos anos a teleodontologia, odontologia hospitalar e ampliação das áreas de atenção nos três níveis: primária, secundária e terciária.

PRESENÇAS – Estiveram presentes os deputados estaduais Luciana Rafagnin, Michele Caputo e Dr. Batista; a coordenadora da Saúde Bucal da Prefeitura Municipal de Curitiba, Viviane de Souza Gubert Fruet, a coordenadora do Serviço Odontológico da Alep, Regina Célia Klinguelfus do Nascimento; o representante do Conselho Federal de Odontologia, Guilherme Graziani; diretor-secretário da Associação Brasileira de Odontologia - Seção Paraná, Wellington Zaitte; além de dentistas e público geral.

GALERIA DE IMAGENS

Últimas Notícias