Bases Aeromédicas do Samu de Maringá e Londrina completam cinco anos
06/12/2021 - 15:18

As bases aeromédicas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) em Maringá e Londrina completaram cinco anos de atendimento na semana passada. Ao todo, são mais de 5,8 mil horas de voo e quase seis mil ocorrências atendidas no Norte e Noroeste do Paraná.

As aeronaves utilizadas operam do nascer até o pôr do sol, em um raio de até 250 quilômetros, são tripuladas por um comandante, um médico e um enfermeiro. A média semanal é de cinco a sete ocorrências, de curta ou longa distância, somando cerca de 45 horas mensais de atendimento aéreo.

“O atendimento aeromédico é indispensável para chegada em locais de difícil acesso, além de possibilitar agilidade no deslocamento e consequentemente, aumentar as chances de sobrevida dos pacientes. É um serviço de grande assertividade, referência e que salva muitas vidas”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

ATENDIMENTOS – As principais ocorrências são de infarto, acidente vascular cerebral (AVC), acidentes de trânsito e traumas em rodovias. Porém, o serviço aéreo também auxilia no transporte neonatal e no transporte de órgãos.

O diretor de Gestão em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), Vinícius Filipak, reforçou a importância do atendimento aéreo. “A consolidação desse serviço na Região foi fundamental para melhorar a eficiência do atendimento na Rede de Urgência e Emergência do Paraná”.

TRANSPORTE DE ÓRGÃOS – Os helicópteros da base também transportam órgãos para transplante. Nestes cinco anos, mais de dois mil voos foram realizados em parceria com o Sistema Estadual de Transplantes (SET/PR), colaborando para que o Paraná se mantenha na liderança nacional de doações e transplantes.

MARINGÁ – A equipe de Maringá é composta por oito médicos, nove enfermeiros, dois comandantes de aeronave e dois mecânicos. Segundo o médico da base, Maurício Lemos, a unidade atendeu mais de três mil ocorrências, perfazendo mais de 2,8 mil horas de voo.

“O helicóptero chega rápido até a ocorrência, com uma equipe altamente preparada e treinada para operar em qualquer local, oferecendo tecnologia, estrutura e intervenção de suporte avançado, para que esse paciente tenha condições de chegar até um hospital de referência e terminar seu tratamento definitivo”, afirmou o médico.

LONDRINA – A base de Londrina conta com nove médicos, seis enfermeiros, dois pilotos e dois mecânicos. Desde sua implantação, a base atendeu mais de 2,8 mil ocorrências, perfazendo quase três mil horas de voo.

“Nossa área de cobertura é composta pela Macrorregião Norte do Estado, que cobre cinco Regionais de Saúde e 97 municípios com uma população de aproximadamente 2,6 milhões de habitantes. Este trabalho integrado com as bases do Samu diminui o tempo de chegada até o paciente, que consequentemente também diminui o risco de mortalidade e proporciona um melhor atendimento para a população”, disse Marcos Laurentino da Silva, coordenador da Rede de Urgência Macronorte da Sesa.

GALERIA DE IMAGENS