SESA e FIOCRUZ assinam protocolo de cooperação
17/04/2019 - 19:10

A cooperação entre Secretaria da Saúde do Paraná e Fundação Oswaldo Cruz acontecerá por intermédio do Instituto Carlos Chagas, unidade técnico-científica da Fiocruz no Paraná e Instituto de Biologia Molecular do Paraná.

O protocolo foi assinado pelo secretário da Saúde do Paraná Beto Preto, pelo diretor geral da secretaria Nestor Werner Junior, pelo diretor do Instituto Carlos Chagas, Bruno Dallagiovanna Muniz e pelo presidente do Instituto de Biologia Molecular do Paraná, Pedro Ribeiro Barbosa. A assinatura foi na sede da Fiocruz Paraná, no campus do Parque Tecnológico da Saúde, em Curitiba.

“Inovação na Saúde é produzir e disseminar conhecimentos e tecnologias voltadas para o fortalecimento do Sistema Único de Saúde e para a promoção da saúde da qualidade de vida da população; este é o objetivo da SESA, do Governo Ratinho Junior e da Fiocruz, instituição pública e estratégica de Saúde, reconhecida mundialmente”, afirmou Beto Preto.

FIO
Fiocruz Paraná – o Instituto Carlos Chagas/Fiocruz Paraná está localizado no Parque Tecnológico, na Cidade Industrial de Curitiba, em uma área de 5 mil quadrados e conta com sete laboratórios para desenvolvimento de pesquisa científica atuando nas áreas de bioquímica, biologia molecular, biologia celular de agentes infecciosos, caracterização molecular de células tronco, virologia molecular, entre outras.

O Instituto mantém programa de pós-graduação em Biociências e Biotecnologia, credenciado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do MEC.

REFERÊNCIA – O Laboratório de Virologia Molecular da Fiocruz Paraná foi destaque na mídia nacional, em 2015, por desenvolver pesquisas que resultaram no isolamento, pela primeira vez no país, do arbovírus causador da febre chikungunya e pela confirmação da presença do Zika vírus em amostras humanas brasileiras. É considerado sentinela para Zika vírus na região Sul do país pelo Ministério da Saúde.

O Instituto Carlos Chagas também sedia, desde 2017, a subcoordenação de Reservatórios de Referência em Leishmanioses (conjunto do doenças infecciosas transmitidas pela picada de diferentes insetos vetores) , com pesquisas, atendimento à pacientes referenciados, realização de diagnóstico parasitológico e imunológico da doença e assessoria a profissionais que atuam na área.

O Protocolo de Cooperação será publicado no Diário Oficial da União, com vigência de 12 meses.

Últimas Notícias