Sesa promove avaliação do Plano Estadual de Vigilância e Atenção à Saúde das Populações Expostas aos Agrotóxicos
03/12/2019 - 09:30

agrotoxicos
A Secretaria de Estado da Saúde promove nesta terça e quarta-feiras (3 e 4), a avaliação do Plano Estadual de Vigilância e Atenção à Saúde das Populações Expostas aos Agrotóxicos (PEVASPEA) 2017-2019 e a apresentação da prévia das novas ações propostas para o período 2020-2023. O evento será realizado em menção ao Dia Internacional de Luta Contra os Agrotóxicos, comemorado no dia 3 de dezembro.


Durante os dois dias estarão reunidos os integrantes do Grupo de Trabalho de Agrotóxicos Estadual formado por uma equipe técnica multidisciplinar e pontos focais da Vigilância e Atenção em Saúde das 22 Regionais de Saúde do Estado, promovendo palestras, debates, avaliações e apresentações voltadas para o Plano Estadual.


O Paraná possui um grupo técnico que realiza ações integradas relacionadas a Vigilância de Populações Expostas a Agrotóxicos desde 2013, data da elaboração do primeiro plano. Em 2017, foi elaborado o segundo plano com vigência até 2019. Segundo a coordenadora do Grupo, Luciane Otaviano de Lima, “o plano atual possui um diferencial que destaca o pioneirismo do Paraná, aliando ações de vigilância e atenção a saúde de forma integral e articulada”.


Para o engenheiro agrônomo Marcos Andersen, da Divisão de Vigilância Sanitária de Alimentos da Sesa, “o diagnóstico situacional foi realizado a partir da análise de dados como o consumo de agrotóxicos, contaminação dos alimentos e da água, indicadores de morbimortalidade, dados de intoxicações por agrotóxicos, entre outros”.


No plano 2017 – 2019 foram estabelecidas 20 ações estratégicas que permeiam todas as áreas técnicas envolvidas com a elaboração e monitoramento do plano estadual. Dentre as ações, as investigações das intoxicações em conjunto pelas vigilâncias no local de ocorrência. “As intoxicações por agrotóxicos podem ocorrer por várias circunstâncias, dentre elas a ocupacional, durante a preparação, transporte ou aplicação do agrotóxico; por circunstâncias acidentais, principalmente em crianças que não reconhecem o perigo dessas substâncias químicas e inadvertidamente tem acesso a elas; por tentativa de suicídio, em que o indivíduo em sofrimento mental faz uso do agrotóxico como método para tentar suicídio”, explica Juliana Cequinel, bióloga da Divisão de Zoonoses e Intoxicações da Sesa.


DADOS – Foram notificados em 2019 (dados preliminares) 819 casos de intoxicação por agrotóxicos, sendo 74% por uso agrícola. As circunstâncias de uso habitual, acidental e ambiental contabilizam 67% das notificações e as tentativas de suicídio por intoxicação por agrotóxicos totalizam 32%.


“Para o novo Plano com vigência de 2020 a2023, a expectativa é continuar integrando os vários setores da Sesa, implementar ações de vigilância e atenção a saúde e continuar monitorando a saúde das populações expostas a agrotóxicos”, comentou Lima. 


HISTÓRIA – Há 35 anos ocorreu a catástrofe de Bhopal, na Índia, em que 30 mil pessoas morreram com o vazamento de 27 toneladas do gás metil isocianato, produto químico utilizado na fabricação do agrotóxico carbaryl, das quais 8 mil morreram nos três primeiros dias, e outras 560 mil pessoas continuam com sequelas do acidente. Após a tragédia, a data de 3 de dezembro foi estabelecida pela Pesticide Action Network (PAN) como o Dia Internacional de Luta Contra os Agrotóxicos.


PROGRAMAÇÃO


Dia 03/12

Local : Secretaria de Estado da Saúde do Paraná

Auditório Anne Marie

Rua Piquiri, 170 – Rebouças / Curitiba - PR

Abertura às 8h30.


Dia 04/12

Local: Centro Estadual de Saúde do Trabalhador (CEST)

Av. Marechal Floriano Peixoto, 250 – 5º andar –  Centro / Curitiba-PR

Abertura às 8h30.

Últimas Notícias